Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em abr 21, 2014 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Notícias | Ninguém comentou

RESSURREIÇÃO

RESSURREIÇÃO

“O centurião que estava em frente dele, vendo que assim expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus” ( Marcos 15.39).
Introdução:
Marcos relata sobre mudanças na natureza, na hora sexta, “houve trevas sobre toda a terra até a hora nona”, Na hora nona, Jesus clamou em alta voz: Eloí, Elói, lamá sabactani?” Quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” O guarda ouviu também os murmuradores dizendo, “Ele chama por Elias”.I-RECONHECIMENTO

A várias maneiras de se chegar a um conhecimento, o centurião com certeza estava meditando nessa possibilidade, ele conhecia a história da cura de um paralítico, servo do Centurião, aquele centurião tivera uma fé admirável, elogiada por Jesus, e o servo paralítico fora curado exatamente naquela hora. Ele também ouvira sobre tributos, sobre César, sobre Herodes, lá estava ele contemplando todo o centário.

Naquele momento uma coisa se passava e era escândalo para os judeus:  Como Paulo esccreve aos Coríntios, A Crduz é um escândalo para os judeus e loucura para os gentios”. 1 Corinthians 1:23-25, Mas Paulo fez a teologia que demonstra que essa é uma parte essencial da fé.
A confissão do centurião foi tardia, mas deve ter valido a pena: Αληθως ουτός ό  άνθρωπος υιός Θεού ην.

Duas afirmações estavam naquele momento sendo testadas, sua divindade e sua humanidade. O guarda concluiu que ele era de fato, Filho de Deus, e isso implicava em divindade. Essas duas verdades se juntam firmemente e são guardadas com todas as forças pela Igreja.

Ali estava também o poder de Deus que conquista o que quer mesmo através do sofrimento, nada é impossível para Deus, e o sofrimento é tudo o que impede o homem, mas não pode impedir a Deus.

A Igreja Metodista Unida ensina que, aquele momento a Cruz revela dois atributos de Deus, Justiça divina e amor divino.
II- COMO FUNCIONA A MENTE NA HORA DO RECONHECIMENTO
Processamos as imagens, sons e palavras. A primeira cosia a se considerar é a mente, paa Hume a mente nada é a não ser uma coleção de diferentes peercepções, como um fluxo e movimento, não é uma substância mental, ela existe do nascimento até à morte. Parda Sinoza o ser humano é composto de duas substâncias essenciais, mente e corpo,  A mente “a thinking things” e o corpo, “a thing occupying space”.

Na metafísica, o universo está permeado com a mente cósmica, mente é o principio da ordem e mudança, a Mente Universal imanente,( The universal mind immanent).
Partido desses princípios, vamos olhar para o guarda, centurião era um soldado condecorado, que comandava cem homens, o equivalente a patente de Capitão.  Ele pensava de forma ocidental, a lógica grega predomina o raciocínio no ocidente.

Ele como chefe observava tudo, e se lembrava dos últimos acontecimentos,  Os milagres a cura do servo de um colega dele.  As ideias eram simples pela mera lembrança e complexa pela adição e subtração, como na matemática, ele sabia que poderia crer, Jesus dissera de um colega dele, “nem mesmo em Israel vi uma fé como essa”, considerando chegou a uma conclusão lógica,III- A ÚLTIMA PALAVRAA última palavra não é a dor e o sofrimento, mas Paz, Jesus conquista a morte e nos dá a Paz. Para João Wesley a Cruz não significou somente salvação, mas a cura da enfermidade, do corpo e da alma. A ressurreição nos livra do cativeiro e nos capacita a caminhar com Ele.

IV – RESSURREIÇÃO
A cruz é o conhecimento de Deus nas escuridão, o guarda não tinha alí um momento de clareza, mas de obscuridade, A revista Time colocou na capa: ” Encontrando Deus nas trevas”

É o título da capa da Revista Time, com propriedade a pregadora Bárbara Brown afirmou que,  argumentar, arguir, lutar, propósito e verdadeira fé são encontrados na escuridão.
Diferentemente dos judeus o Centurião contemplava refletindo com ideias simples e complexas, uns olhavam e se distraiam, e até diziam: Vejamos se Eli vem socorrê-lo, outros disputavam suas vestes, uns choravam, alguns eram os fiéis seguidores entre eles, Madalena, João, Maria mãe de Jesus e alguns outros e até muitos seguidores que não foram citados por Marcos lá estavam.
A Ressurreição é o fato central sem ela a Cruz não tem sentido nem poder algum, sem a ressurreição iríamos para as trevas com cruz e tudo, foi a ressurreição que nos justificou perante Deus. A morte nos salva e a ressurreição nos justifica, COM A RESSURREIÇÃO O O PAI confirma o sacrifício do Filho.
Quem nos ressuscitará é o mesmo Espírito que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, não tenhámos dúvidas. Nenhuma. Essa e a nossa fé.
Note que as pessoas mesmos os cristãos celebram mais a morte de Cristo do que a ressurreição, pois a morte é comum, ordinária, nessa semana que se finda hoje morreu o grande locutor, Luciano do Vale, a morte é o último inimigo a ser vencido.
As pessoas sentem mais à vontade de contemplar a morte do senhor do que a ressurreição, porque um morto afinal de contas não tem mais poder algum, não determina coisa alguma, mas um SER RESSUSCITADO É COMO CONSTA NO LIVRO DE APOCALIPSE, é Deus Todo Poderoso e tem algo a dizer e a exisgir, é Senhor.

Geralmente no domingo da ressurreição muitos que choraram na Sexta Feita da Paixão, passam a berber e a se embriagar ou até à comilança, alguns festejam  com “carnaval”, sem nenhuma ligação com o Cristo Ressuscitado.  Porque na realidade não creêm na ressurreição, como os filósofos na mente admitem como um mito.

O filme de Mel Gibson, demosntrou a tortura de forma mais impactante possível, mas a ressurreição uma pena soprada pelo vento, ele nada tem a dizer sobre a ressurreição, muitos julgam um mito.
Na igreja Católica se faz fila para tocar o “senhor morto”, mas na ressurreição ninguém fala muito, é como um ideia, um pensamento, e até algo impossível.

Mas a ressurreição é objeto de fé, somente pela fé, e essa fé Salvadora é um conjunto de pelos menos tres fatores, A vida, a Morte e a Ressurreição de Cristo.

A fé não é um apego às doutrinas de certa denominação, a fé que salva é esse conjunto do qual falamos.

Bispo I.F Barreto

Publicar uma resposta