Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em maio 31, 2015 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Igrejas, Notícias | Ninguém comentou

MENSAGENS AOS BISPOS DA IMR

MENSAGENS AOS BISPOS DA IMR

 

“O herói de Carlyle  pode dizer: “Eu serei rei”. Mas o santo cristão deve dizer: “Nolo episcopari”, ou seja, não quero ser bispo”. (Chesterton)

APOSTOLICIDADE E CATOLICIDADE

 

Vamos começar com uma histórida sobre a Ortodoxia contada pelo Filósofo Gilbert Keith Chesterton: “Conta-se que um grupo de criança brincava no topo de uma montan0ha cercada com um muro de segurança, eles gritavam, pulavam se alegravam na maior bem-aventurança, mas depois vieram uns homens religiosos com muitas novidades e derrubaram o muro. As crianças chegavam perto do abismo e se afastavam temerosas, terminaram se encolhendo,se escondendo como Adão no paraíso depois da queda”.

Assim essa parábola serve de exortação para a Igreja não permita as heresias, pois é fácil se perder  em dos vários ângulos que muitos apresentam como uma via religiosa, mas é difícil permanecer na ortodoxia, mas é fácil cair no abismo teórico do determinismo.

APOSTOLICIDADE

Iriney de Lyon (130-202)

A preocupação com a tradição começa com os pais da Igreja, ainda que Paulo tenha falado, da tradição que ele passou para as  Igrejas que ele fundou, existe também a tradição em particular dada a Timóteo, assim ele pensava na tradição eclesiológica ligada à própria Igreja e a tradição individual que cada um de nós carregamos na alma. “Guarda o bom depósito” Disse Paulo a Timóteo, e evita os falatórios inúteis, e as heresias que dominarão nos últimos tempos.

A tradição entre os pais iniciou com Clemente de Roma auxiliar de Paulo, Santo Inácio de Antioquia, São Justino e Egesipo, esse último pouco falado entre os pais da Igreja.

No II século já se pedia uma exegese sobre a tradição da Igreja para se saber o que era Evangelho e o que não era. Hoje temos esse desafio, nem tudo o que se prega é evangelho, o mesmo vale para muitos cânticos cujas letras não falam de Cristo.

A apostolicidade começa pela recapitulação quando Cristo assume a liderança como sendo “Cabeça da Igreja”. Essa Igreja foi confiada aos apóstolos e a seus sucessores. É dessa forma que se pode manter viva  a mensagem de Jesus sem alteração através de seus apóstolos e os bispos seus sucessores. Evidentemente que existem líderes que não sendo bispos contudo são guardadores fiéis da sã doutrina.

Além da tradição escrita, a tradição oral foi a responsável pela variedades de ritos e costumes, testemunhada pelos  Pais da Igreja, inclusive Irineu de Lyon e todos os outros. A fonte “Q” contém os ditos de Jesus que surgiu no meio do povo. Alguns anotavam esses ditos e depois fizeram uma coleção dos ditos surgindo assim a fonte do Evangelho escrito.

A grande batalha foi contra os gnósticos que desejavam entrar no Colégio Episcopal mas Irineu não permitiu. Os pais da Igreja  não estendiam a destra da comunhão para os hereges, principalmente os gnósticos que negavam as verdades anunciadas nos quastro Evangelhos, Mateus, Marcos, Lucas e joão.

O ministério ordenado foi testemunhado por irineu quando ele reconhece o diácono, o presbíbero  e o episcopo. Algumas décadas antes Inácio de Antioquia já havia percebido o alinhamento da ordem sagrada de episcopos, diáconos e presbíteros.

O que temos como herança hoje  garantiu a fé contra os antigos escritos dos arianos. A nossa herança  é uma tradição que vem dos apóstolos que é repassada aos bispos. Com a sucessão apostólica  visível e verificável podemos ter a garantia da fé. A Igreja Metodista Renovada é uma igreja da apostolocidade e catolicidade, procura manter a doutrina dos pais e um evangelho católico, isto é “segundo um todo”.

Bem para que ninguém se assuste com a palavra “católico”, deixo aqui uma explicação: O termo “católico” significa, “segundo um todo” levando em consideração os quatro Evangelho que vistos sob óticas diferentes não se afasta da sua raiz, da sua vedade única, dos fatos históricos que marcaram o nascimento da religião e de um novo começo. Todos os evangelhos falam da Vida de Jesus do seu amor pela vida e pela vida dos outros, da sua pregação, das curas, sua morte e ressurreição.  Esse é um todo irremovivel.

Já os gnósticos diferem entre si não sendo possivel agrupá-los do mesmo modo que foram agrupados os quatro evangelhos que segundo Irineu não foi por acaso, mas um propósito de Deus de mostrar as quatro alianças que foram dadas aos homens desde  Abraão, passando por Moisés, Noé e agora o Evangelho. Irineu também falava dos quatro ventos pois na antiguidade se pensava assim, toda essa metáfora Irineu usou para definir a questão da catolicidade, “segundo um todo”, pois tanto Aliança é uma coisa só, como o vento da mesma forma é sempre o mesmo. A palavra católico é composta de: Καθ-όλου, (kat- segundo + ólou – todo). Assim como temos quatro estações no ano, da mesma forma, então temos quatro evangelhos que e  “segundo um todo”. São chamados sinóticos, visto numa mesma ótica, o mesmo. Irineu incluiu o Evangelho de João.

A Igreja procurou segundo Chesterton, o caminho difícil da ortodoxia, para não se tornar ariana, foi a catolicidade que preservou os quatro Evangelhos.  Os gnósticos entre eles Marcion queria apenas um, o evangelho de Lucas.  Por isso Irineu não aceitou que os gnósticos fizessem parte do Colégio Episcopal.

Essa é a “sucessão apostólica visível e verificável”  que os fiéis dispõem como um critério seguro para separar o verdadeiro do falso e manter comunhão com o verdadeiro.

Apóstolos hoje

Em nossos dias náo temos apóstolos, pois depois deles surgiram os bispos, no entanto tempos um serviço apostólico,  aquela necessidade de espalhar o evangleho aonde ainda não foi devidamente espalhado e onde o discipulado ainda não foi instituido.

O discipulado é um trabalho eminentemente apóstolico, e episcopal, aquele que faz discípulo é ao mesmo tempo um discípulo e também “apóstolo”, é o primeiro que vai para lançar os fundamentos, primeiramente apóstolos, contudo o que faz discípulos muitas vezes é considerado o último, mas do ponto de vista de quem faz missões ele é o primeiro, mas essa é uma discussão desnecessária. Importa servir.

Hoje temos apóstolos  “lato senso”, isto é, num sentido amplo, pois apóstolo no sentido restrito são aqueles que foram até o fim do primeiro século. Essa restrição começa com a instituição de presbíteros e bispos. Não havia como instituir apóstolos, pois isso era uma obra exclusiva do Espírito Santo, em alguns momentos até os diáconos foram escolhidos diretamente pelo Espírito Santo, mas não era sempre assim.

O serviço apostólico não pode incluir heresias inovadoras, regressões espirituais, teologia da prosperidade, a ganancia como alvo, e outras doutrinas inventadas pelos homens com o intuito de aumentar o número de membros sem levar em conta o testemunho dos Pais da Igreja.

Hoje é preciso ser apóstolo “lato senso” mantendo as raízes dos “Pais da Igreja” para  que evangelho não seja difamado. Somos apóstolo de uma mensagem proclamada por Jesus confiada aos apóstolos que confiaram aos bispos desde o primeiro século.

Nesse dia de ordenação do diácono Osvaldo, da diaconisa Diva, dos  bispos eméritos, Rev. Claudenir Gerolamo Alves, Rev. Omar Sociloto Donaires e Rev. Luiz Henrique Alves, e da ordenação do Bispo Regional Paulo César Marcolino Borba, essa mensagem é uma lembrança muito importante para toda a liderança da Igreja de que somos um  depositário fiel.

 

 

 

 

Publicar uma resposta