Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em set 7, 2016 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Notícias, Sem categoria | Ninguém comentou

AMÉRICA ESCONDIDA

AMÉRICA ESCONDIDA

Uma hipótese

Quando o autor Tennessee Williams teve a ideia de fazer  o filme: “CAT ON A HOT TIN ROOF”  não deve ter sido mero acaso, ele nasceu em 26 de março de 1914, em Columbus, Mississipi, chamava-se Thomas lanier Williams, dramaturgo, ano mais tarde adotou o nome de Tenessee em homenagem a uma parte aristocrática  da sua família. Mas para não  esquecer as tragédias, Tenessee morre no hotel Elysée  em 1983, engasgado com uma tampinha de refrigerante que engoliu junto com  que os barbitúricos que ingeria com frequência. Era viciado em drogas.

Mas o filme é dirigido por Richard Brooks casado com a atriz Simmons. O diretor escolhe muito bem o titulo e faz a adaptação do livro para o filme em questão.

Bem, o filme em si e uma comédia dramática marcada por um diálogo inteligente. Se você quiser entender o filme terá que prestar atenção no diálogo.

No entanto o que importa para essa reflexão são os bastidores históricos. O que se passava na mente do diretor, não somente na mente da equipe, mas na mente do povo americano naquele momento? Um filme sempre ordinariamente  se refere a um passado distante ou próximo da geração que tenta reproduzir. São ideias sobre acontecimentos que se passaram.

 A América no seu início tem nos chamados pais fundadores, George Washington e Benjamin Franklin suas raízes. São os dois homens mais lembrados suas imagens estão nas notas de dólar. George Washington um militar estrategista, Benjamin Franklin intelectual defendia a tese que a riqueza era uma benção divina pelo trabalho.

Mas e as Igrejas? Primeira Emenda:   “Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof; or abridging the freedom of speech, or of the press; or the right of the people peaceably to assemble, and to petition the Government for a redress of grievances.” Congress shall make no law respecting an establishment of religion, ( Congresso não fará nenhuma lei que respeite o estabelecimento de religião) isto é, nada de religião estabelecida pelo Estado. A Primeira Emenda fala também da liberdade de expressão, de imprensa, o direito de se reunir em paz, e de reclamar perante o governo) É a base da democracia.

A igreja então vivia em plena liberdade, tudo garantido pela Constituição, é bom saber que os fundadores tinham origem protestante, e o povo vivia a religião protestante, Quacker, Metodistas,  Presbiterianos  e Batistas, Epicospais,  além de grupos isolados, todos tinham plena liberdade.

No filme a que me referi no começo, um fazendeiro milionário, fazia doações de grandes somas para a igreja do seu tempo. Ele tinha na sua fazenda um diácono da igreja que parecia ser o seu próprio servente, ele a certa altura faz uma confissão histórica: “Voce me tem na sua lista de doadores como o primeiro e mais rico otário que contribui para a igreja”.

Acontecia então que, os milionários faziam grandes doações para que os pastores e líderes construissem suas igrejas, mas a Igreja ficava vulnerável à influência dos doadores, os diáconos e outros postos de liderança eram preenchidos segundo a indicação dos poderosos, esses por sua vez iam na Igreja para receber elogios.

As igrejas nasciam prontas pelas ofertas que recebiam, construiam seus prédios, suas estruturas, escolas, etc, mas o conteúdo era simples, faziam uma leitura superficial das escrituras, muitas vezes e até mesmo de modo frequente eram literalista a ponto de aceitarem a escravidão dos negros como se eles fossem uma raça inferior. Alguns “cristãos” achavam que talvez não fossem humanos de verdade ou então quem sabe eram malditos descendentes de Caim como disse certo teólogo brasileiro no seu estilo caipira e capenga.

Depois esses religiosos especialmente do Sul não hesitaram em pegar nas armas para defender o direito de ter escravos, e criam uma bandeira, a bandeira da confederação que atualmente está sendo banida por representar o racismo

Agora, multiplique esse fenômeno da criação das igrejas por centenas  e até milhares e você terá uma massa de protestante que nem sequer ler a Bíblia, ouve um sermão, mas não sabe o que ouve e para que serve. Com exceção de crentes piedosos que se confortavam com a simples leitura.

O filme também passa a impressão de homossexualidade do ator  Paul Newman casado com Elizabeth Taylor no papel simultaneamente de: Brick e Maggie, ele não consegue conviver com ela por causa de um amigo.

América surge dessa confusão eclesiástica, protestante herdeira da reforma, mas nunca se atualizou para enfrentar o mundo moderno, o literalismo destruiu boa parte da árvore, resta as raízes que precisam de um novo adubo, uma nova força para sair do marasmo.

Houve muito avivamento, muita campanha, muitos “aceitaram a Cristo”, mas parece que poucos, apenas alguns comparados com a multidão estudaram a Biblia e procuraram o discipulado. Avivamento não faltou, em 1896 houve um despertamento numa pequena igreja chamada “União Cristã” dirigida pelo reverendo RR. Spurling, ele buscava a santidade do “cristianismo primitivo”  Ele pensava em unidade e santidade.

Algumas mulheres lideraram o avivamento, no período entre guerras (1918-1941) Maria Woodsworth-Etter entrou em pleno pentecostalismo em 1912, houve grande avivamento em Dallas com cura e santidade, depois veio “Sister Aimee” ela foi pioneira de muitas mudanças, inclusive  com um vestuário descontraido.

Quando se olha hoje para as grandes e ricas Igrejas, grandes escolas bíblicas, como o Colegio Evangélico que oferece casamento entre pessoas do mesmo sexo como se fosse bíblico, sagrado, aprovado por uma leitura do evangelho de Marcos, mas o que diz lá: “Deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher”, logo, a interpretação que foi feita para o Colégio justificar sua postura  nada tem a ver com a Escritura.

Essa é a questão básica são igrejas históricas, mas cuja reflexão ontológica não passa daquele período onde os “poderosos construiam as igrejas” e ofereciam ao povo um lugar para o culto.

A primeira emenda dá toda liberdade, mas não viveram essa liberdade no bom sentido. O povo estava livre para pensar, mas livre do constrangimento fisico, mas se tornou psicologicamente cativo de uma forma de pensar o evangelho sem um profundo conhecimento. e sem saber separar as metáforas da realidade a ponto de aprovar a escravidão como se fosse a vontade de Deus segundo a Bíblia.

O constrangimento psicológico foi tão forte que funcionou como um ingrediente forte para o  “determinismo histórico”, mas esse determinismo que alguns chamavam de “Destino manifesto” termina por determinar os acontecimentos últimos que deixa o povo cristão oprimido,  sem rumo, aguardando qualquer acontecimento que mude o presente. Mas o que esperar?

O povo busca uma saida política, já que o problema vem da Corte Suprema, Donald Trump fala da necessidade de um governo com espinha dorsal que possa construir muros e proteção, mas é uma visão incompleta da nação e do mundo.

Religiosamente a teologia americana enfatizou muito a besta, Nabucodonosor  na figura de Sadam Hussein, a Igreja Católica como  Apóstota e a Grande Prostituta  e outras comparações odiosos. Com o desvio doutrinário assumido publicamente por muitas denominações quem protagoniza o cenário de fim de mundo são os “santos protestantes”.

Um pregador disse nos Estados Unidos: “Ou Deus julga a américa ou pede desculpas a Sodoma e Gomorra”. Os noticiários já anunciam um grande terremoto: (First sign of mega-quac  will be ” cacophony of barking dogs”) Os primeiros sinais desse mega terremoto seria como latidos de cães.  Mas esse castigo terminará por castigar inocentes que nunca aceitaram o desvio doutrinário.

Talvez chegou o momento de um novo evangelismo com ênfase nas palavras de Jesus, onde o Caminho seja o amor, a justiça, a paz e a misericórdia. Sem preocupação com anticristo, besta do apocalipse e outras figuras dantescas. Com tolerância com os modernistas, mas não se descuidando da ortodoxia, ensinando todo conselho de Deus, sem apontar o dedo para os que tropeçam, mostrando os sinais dos tempos ainda assim com misericórdia.  Sem colocar jugo sobre as pessoas ainda assim levando cada um o seu fardo. Buscando a santidade sem dedo em riste apontado para o pecador. Enfim um evangelho que possa ser percebido como o Caminho do amor, da verdade e da vida.

Publicar uma resposta