Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em abr 4, 2016 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Notícias | Ninguém comentou

A LEI ANTES DA LEI

A LEI ANTES DA LEI

“A fim de que a benção de Abraão em Cristo Jesus se estenda aos gentios, e para que, pela fé, recebeamos o Espírito prometido” (Gálatas 3.14).

Abrão vivia na cidade Ur dos Caldeus na Babilônia, e lá ele viveu muito tempo, lá ele conheceu o Toretu, a Lei dos deuses da Babilônia, esse é o vestígio que aponta para a existência de Leis por toda parte, em todo o mundo, inclusive como não poderia deixar de ser, na Babilônia. Abrão ouvia os religiosos ensinarem em Ur: “Não Calunieis” cantavam ao deus Samas, mais tarde todo povo judeu saberia que essa era a vontade de Yahô: “Não darás falso testemunho”. Consta em Êxodo 20.16. Os Egípcios antigo ensinavam: “Não roubais”, esse mandamento fazia parte da “Lista dos pecados”, e o judeu aprendeu: “Não furtarás” Êxodo 20.15. A boa fé também era exercitada entre os babilônios: “Acaso era a sua boca cheia de sins, e o coração cheio de nãos? E Jesus ensinou: “Seja o teu sim, sim e o teu não, não”. Entre os Hindus o provérbio:”Não se deve bater em uma mulher, nem mesmo com uma flor” (Janet 1,8). A Lei é o fator determinante da justiça em todas as sociedades humanas, sem Lei se perde a liberdade e a felicidade.

Os antigos tinham um código moral chamado TAO, e um livro conhecido pelo nome de “Tao te Shing”. Era o livro do Caminho e da Virtude, Lao Tse era o mestre que passava esses ensinamentos. Lao Tse ensinava o panteísmo metafísico dos Upanishad, um ensino interior. Tao era a origem de tudo, o principio único do universo, de que todas as outras coisas são manifestas, e incentiva a “ética de não fazer”, ou seja, se entregava tudo à ação imanente do princípio cósmico e renúnciava a interferir nele ou obstá-lo. O homem vive o seu destino na Upanishad, resta: “nada fazer”.

E por último para demonstrar que a Lei já existia por todo o mundo, temos na Babílônia o Toretu que era a Lei dos deuses de cujo significado e nome vem a Torah. A Torah por sua vez tem na sua raiz “yara”: lançar uma flecha ou lançar a sorte, mas o seu sentido final é: Ensinar.

Pois bem, quando Abrão sai de Ur ele está carregado com essa toda essa cultura da Babilônia e vai começar uma nova caminhada, aprender coisas novas, e até vocabulários novos, como a Torah, תּוֹרָה, É no Sh´mot 12.49 , A mesma Torah, ou a única Torah, תּוֹרָה אַחַת “Torah Echad”, é uma Lei única para os de casa e os de fora, nacionais e estrangeiros ou melhor dizendo para judeus e gentios.

Assim foi o chamado de Abraão: “E Adonai disse a Avram: “Sai de seus país, afaste-se de seus parentes e da casa de seu pai, e vá à terra que eu mostrarei a você”. Abrão recebe uma promessa: “Farei de você uma grande nação, eu o abençoarei, engrandecerei seu nome; e você será uma benção.” B´reshit 12.1-2). (Bíblia Judaica Completa)

II- Isaque e” sua caminhada

Quando Isaque foi a Gerar, (Cântaro) ele ouviu a instrução e como as bençãos chegou até ele, Adonai lhe disse sobre as bençãos prometidas a Abraão, e que essas bençãos chegou até ele Yitz´chak (Isaque) porque o seu pai Abraão foi obediente. Ninguém espere benção sem nenhuma exigência, sem trabalho, sem estar ligado ao Corpo de Cristo, a Igreja. Por falar em Cristo, disse Paulo: “Estamos debaixo da Lei de Cristo” (1ª Co 9.21). “En la Lei de Cristo”, תורת חמשיח “Torah Hemashiah” Na Lei do Messias.

O Texto de Gênesis começa afirmando: “Porque Abraão me obedeceu” ou literalmente:

עֵקֶב, אֲשֶׁר-שָׁמַע אַבְרָהָם בְּקֹלִי, “eqeb shur-shama Abraam bi-qol ” “Porque Abraão ouviu minha voz”. ( Gn 26.5b). Quem dá ouvido a uma voz, criou para si um mandado. Por isso que, em algumas

traduções encontramos, “Abraão obedeceu ao meu mandado”. Essa frase também equivale a “um estilo de vida”. “eqeb ashur-shama”, “andou no meu chamado”, isto é obedeceu, esse termo equivale a um estilo de vida. O judeu tem um estilo de vida, Jesus deu aos discípulos “um estilo de vida”, era tão forte que uma serva de Caifás, “a criada que guardava a porta diz então a Pedro: “Não és tu também, um dos discípulos deste homem?” Pouco tempo depois, os que estavam por ali chegaram a Pedro e disseram: “Certamente você é um deles! O seu modo de falar o denuncia”. (Mateus 26.73).

A segunda observação que se tem que fazer com referência à obediência de Abraão, é em relação às ordenanças. “Obedeceu, rege todo o resto do texto”, tudo deriva do estilo de vida: אֲשֶׁר-שָׁמַע (ashur-shamar). Palavras ligada por hífem se transforma em uma só palavra. A primeira palavra é אשר “ashar”, essa é a matriz, muda-se conforme a vocalização, ela pode ser, ashar, “ir reto”, “andar”, felicidade, benção, “ashur” passo, andar, Aser um nome próprio, outros derivados não teria muita ligação com o texto como por exemplo “ashurim” (caixa de madeira). Então podemos concluir que, : אֲשֶׁר-שָׁמַע “ashur-shamar”, equivale dizer: “andou em obediência”, criou um estilo de vida. Então Abraão andou no chamado, seus passos acompanharam o chamado, acompanhou o “Shema”. Jesus usou esse verbo, “Ouve ó Israel”. As bençãos foram decorrentes da obediência, porque Abraão fez algo, isto é obedeceu. Temos que fazer algo sim. Viver pela fé é fazer algo, e fazer discípulos é um sinal de obediência, e não se consegue fazer se afastando da congregação. Você tem que está lá, para fazer, apoiar e ajudar.

מִשְׁמַרְתִּי 

Guardou minhas ordenanças “וַיִּשְׁמֹר מִשְׁמַרְתִּי,l” “v/shamar mishmeret, se refere a um serviço prestado ou obrigação cumprida, em segundo lugar, a algo guardado ou preservado, como a ovelha pascoal (Ex 12,6) o Maná , ou as cinzas da novilha. A tradução NIV consta: “and

he kept requirements of me” ou seja, ele obedeceu tudo o que foi requerido dele por mim. Nem sonhe que não temos ordenanças na Igreja. Fazer discípulos é um “mishmeret”, um serviço, cuidar da Eucaristia um serviço, organizar o povo para participar é um serviço, chegar no horário um serviço, frequentar assiduamente um serviço e um testemunho de fidelidade. Apresentar uma criança é um serviço, por isso que foi dito a Abraão que esses preceitos seriam perpétuos.

מִשְׁמַרְתִּי Mishmeret 

Ordenança, מִשְׁמַרְתִּי “mishmeret” vem do Mishna, no VIº século a.C consistia na repetição de algum texto com o apoio da Torah. Já o mishmeret” era como um encargo que a NIV nos deu “charge” (uma carga explosiva). é uma acumulação de força para executar a tarefa; ordenanças não são dadas para penalizar, mas para fortalecer o ministério. Uma equipe bem preparada irá ajudar o pastor preparando, organizando, e fazendo todo o trabalho numa igreja local. Aqui na sede temos quem, cuida do material da Eucaristia, do Seminário, das crianças, do louvor, e tudo é feito debaixo de ordenanças. Quando nos reunimos em conselho avaliamos o serviço e como deve ser feito. E todos nós recebemos a ordem de fazer discípulos, é uma carga explosiva que carregamos para destruir e construir.

מצוה 

Abraão também obedeceu ao מצוה, Mitzavah. Esse é um termo usado para celebrar contratos na compra de bens, no Salmos 19, 8: “A מצוה Mitzvah de Adonai é pura, ilumina os olhos”. Por isso é traduzida também como Instrução de Adonai. Abraão recebeu instrução sobre a Aliança. No Novo Testamento com Jesus temos o dever de ensinar, ou seja fazer discípulos, isso é um Mitsavah, O judeu com 12 anos faz o Bar Mitsavh isto é, se torna um “Filho da Lei” ou “Filho dos mandamentos”. Quando estamos ensinando os discípulos estamos

fazendo um Mtsavah. Discipular é dar instrução sobre a Nova Aliança, é um maravilhoso Mitsavah cristão.

חקּ 

Abraão também recebeu o חקּ Hoq: Estatuto,חקּה é o estabelecimento de uma lei. Hôq pode designar um direito legal. José dá a Faraó um quinto do que a terra produz (Gn 47.26). A porção que o sacerdote tinha no sacríficio era um direito perpétuo, חוקה עולם “huqqôt olam”. Huqqôt descrevia todas as regras para todas as festas. Eram os preceitos de responsabilidade. Temos isso no discipulado, Jesus ordenou que fossem nas cidades, nas vilas e aldeias e nas casas. O discipulado se transforma num costume, em uma maneira de ser, em um estilo de vida, gerando estilo de vida.

תּורה 

A Torah aparece no fim do verso, וְתוֹרֹתָי., v/torati, minhas leis. A תּרה /תּורה Torá é o conjunto de Leis: por isso que os quatros livros: Gênesis, Êxodos, Levítico Números e Deuteronômio formam a Torah.

Echad Torah: תּוֹרָה אַחַת, Torah Echad, a única Lei, ou o conjunto de Leis. Ela é única.

Torah vem do Assírio Toretu “a lei dos deuses”, o verbo “orah” deriva de projeto, um ponto fora, ou ensino. A Lei de Deus é que aponta um ponto fora para indicar o que é e o que não é, e qual é a sua vontade para o homem. Não é um regra arbitrária, e muito menos algo subjetivo, é uma referência como um curso um guia, uma direção dada de cima, do alto para um procedimento aqui na terra.

O ensino era associado com a unção do Espírito Santo, (Ex 35.34) ou pelo próprio Deus (Ex 4.15). Nos últimos dias Deus promete enviar aquele que ensinará o seu povo (Is 30.20). As nações virão para Jesualém onde Deus vai instrui-las. (Is. 2.1). Para o Cristão isso já

ocorreu, Jesus veio como O Mestre dos mestres e por meio da Igreja ensina todo o mundo.

Todas as obrigações deveres e atribuições começam com a frase:

אֲשֶׁר-שָׁמַע אַבְרָהָם בְּקֹלִי עֵקֶב, “eqêb ashur-shamar abraahm be/qol”. (Porque obedeceu Abraão a minha voz)

E tudo começa conosco com o Ide de Jesus, esse é o mandado que o crente recebeu e as bençãos virão pela obediência.

O MANDADO QUE RECEBEMOS DE JESUS 

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.” (Mateus 28. 19-20)

O Ide: Um mandado, Ouvi e obedecer

Fazer discípulos: Um serviço, ordenanças. Uma forma de fazer acontecer o “Bar Mitsavah”, quando alguém se torna discípulo de Cristo, se torna “Um filho da lei de Cristo”.

Batizar: Um serviço e uma instrução, uma ordenança. Evangelizar e batizar faz parte da ordenança.

Ensinar: Um serviço, instruir, para introduzir costumes e alcançar uma maneira de ser cristão. Ensinar a guardar, Abraão usava Mishna como um processo de ensinamento pela repetição. O Miswâ também era usado na medida em que se instruia o discípulo. Sempre passamos preceitos perpétuos: חוקה עולם (shuqah Olam) de responsabilidades. Hôq, é costume, lei, decreto, segundo o professor Dr.Timóteo Carriker, deriva de “haqaq” que significa “arranhar”, ou “gravar” e, assim, “escrever”. Quando respondemos ao chamado de Jesus, o ensino no começo é como “arranhar”, depois “gravar” e logo se

transforma em “preceitos de responsabilidades”, como que, gravado nos corações.

Se quisermos as bençãos de Abraão é preciso começar a obedecer. Em casa desigrejado, sem nenhum compromisso não há como receber bençãos provenientes da obediência.

Conclusão: 

Para o bom cumprimento do Madado que recebemos de Jesus devemos fazer dessas ferramentas que Abraão usou de forma eficaz, as ordenanças, מִשְׁמַרְתִּי Mishmeret, o Mitsavah ou Miswâ para explicar tudo sobre a Nova Aliança, Desenhar no coração do discípulo os ensinamentos de Cristo, isto é, fazer o חקּה (Haqâ) introduzir novos costumes e uma nova maneira de viver. Por fim demonstrar que a Torah é o conjunto de Leis e que estamos debaixo da Lei de Cristo, תורת חמשיח “Torah Hemashiah” Na Lei do Messias.

Publicar uma resposta