Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em out 26, 2015 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Notícias | Ninguém comentou

ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν. “Pero yo os digo”

ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν. “Pero yo os digo”

ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν. “Pero yo os digo”

(Mateus 5.22)

But I say to you….

What did it mean in the time of Jesus?

What does it mean today?

Dentro do contexto dessa fala, “Eu porém vos digo” podemos encontrar tudo o que se refere à recapitulação de toda Escritura quando ela pretende ensinar o Caminho do céu, ou quando quer ensinar todo conselho de Deus, ou ainda quando se pretende que o homem cumpra toda a Lei podendo assim ser justo e feliz.

A primeira coisa que buscamos no contexto dessa afirmação de Jesus é o próprio Jesus, ele disse o que disse porque poderia dizer como disse. O que ele disse? Podemos responder que ele disse sobre o que achamos no Contexto.

O discurso é o Logos, a fala é o “légo”, a teoria da argumentação de Jesus é moral e metafísica, fala do comportamento e da esperança. A pessoa que fala, Jesus é indetificado no Contexto como aquele que veio de cima, que sabe de onde veio e para onde vai, também é aquele que perdoa, “ninguém pode perdoar pecados a não ser Deus”, ele demonstra sua filiação divina quando fala do Pai, desmonta a teologia do apedrejamento, da violência, da vingança. Ele estabelece um novo Concerto.

É assim que Jesus se apresenta como aquele que é maior do que Moisés, a frase: ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν. “Pero yo os digo” propõem uma hermenêutica segundo o entendimento de Delthey, ele dizia que a hermenêutica é a interpretação da compreensão de outrém por meio da revivência, nada mais claro e objetivo do que isso. Era exatamente isso que Jesus estava propondo. Mas será que a Reforma Protestante contemplou a máxima de Cristo: “Eu porém, vos digo”. Penso que não.

O advérbio, δὲ “dé” indica um tempo de modo, e fala diretamente de uma substituiçãol de algo por algo, o conteúdo moral e metafísico da proclamação de Jesus nos força a admitir que o velho ensino da Lei estava sendo substituido por um ensino que pode realmente dá um sentido à própria Lei, isto é, o seu completo cumprimento.

A Igreja do século XXI está em plena crise. Um dia desses alguém publicou no facebook um breve comentário sobre existência do templo em nossos dias e a sua importância, o pregador se esforça de toda maneira para demonstrar que o templo não tem importância nenhuma, que ele vive numa igreja

cujo lema é: “culto, clero, domingo, templo”. Ele afirma enfaticamente que esse pessoal do Templo quiseram matar Jesus. Mas o templo ontem e hoje não estabeleceu condição alguma para tal insanidade, alguns fariseus radiciais tentaram entregar Jesus para as autoridades, mas ainda não era chegada a hora dele. Diz o Evangelho.

É verdade que, o Templo não fala tudo, mas também fala muito, já que Jesus disse: “Não façais da Casa de meu Pai, casa de comércio”.(Mc 11,15) (João 2.16) Ele chama o Templo de: “Casa de meu Pai”, portanto é um conceito alto, e até Jesus foi apresentado no Templo: “Passados os dias da purificação deles segundo a Lei de Moisés , levaram-no a Jerusalém para o apresentarem ao Senhor” (Lucas 2,22), Jesus fez alguns milagres no Templo: “Vieram a ele , no Templo, cegos e coxos, e ele os curou” (Mt 21.14). No evangelho de Lucas podemos conferir que: “Diariamente Jesus ensinava no Templo” (Lucas 19.47) Com respeito à reverência, ele… “Não permitia que alguém conduzisse qualquer utensílios pelo Templo” (Mc 11.16). Como eu disse, os textos bíblicos servem para fazer o que o pregador quiser, servem para fazer declarações paradoxais, acontece que textos bíblicos podem ser usados de muitas maneiras, pensamos que tem um sentido apenas, mas precisamos verificar. O que precisamos mesmo é saber estar no Templo, sem a falsa convicção de que a salvação está no templo, mas com a verdadeira convicção de que é um espaço sagrado. Todo exagero complica. E o pregador se cumplicou quando não conseguiu separar a ida ao Culto num Templo da vida que excede o Templo. C. S. Lewis contou uma história de um irlandês que descobriu um aquecedor que diminuía seu consumo de gás pela metade e então concluiu que dois aquecedores poderiam reduzir sua conta a zero.

Vamos considerar a Reforma Protestante e os reformadores a partir do ano 1517. O que reformaram? Penso que a reforma deu importância quase total às questões religiosas no que se refere à forma de culto e hierarquia, avançou na questão da fé, mas ficou aquém do Evangelho de Cristo, sobretudo não apreciou a proclamação de Jesus Cristo no tocante a uma mudança completa para a Igreja. Por exemplo: O que foi admitido na reforma quanto ao suposto inimigo, Jesus disse: “Ouvistes que foi dito : Amarás ao teu próximo e odiarás o teu inimigo, Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelso que vos perseguem” (Mateus 5,43). Esse contexto não foi contemplado, e até hoje está no esquecimento. Toda a fala de Jesus implícita está em um, ” ἐγὼ δὲ λέγω ὑμῖν” (Eu porém, vos digo). Jesus não pretendeu embelezar os ensinos de Moisés, não quis reformar o judaismo, ele fez tudo novo a partir do Amor de Deus.

Billy Graham procurou mostrar para a Igreja um evangelho simples, mas infelizmente temos hoje uma multidão seguindo a superstição, do sal grosso, ao olho gordo e toda sorte de mazelas psicológicas.

Depois do período de muito louvor, chegamos ao momento Hilário, tem um vídeo de um pregador cujo nome é: Claudio não sei se é pastor, mas pelo menos em duas mensagens que vi e ouvi ele trata os textos biblicos com desdém, e faz piada de quase tudo, e povo cai na risada como se estivesse num circo.

Em determinado vídeo ele diz que diante dessa crise produzida pela adminsitração petista: “Resolvi não participar”. Quanto a isso tenho que discordar:

A mensagem é otimista, hilária e Claudicante. Entretanto a crise é real e acontece desde tempos imemoráveis. Uma das crises econômicas que afetou a até mesmo o grande Patriarca Abraão foi

aventada pelo famoso “economista”, José do Egito: “porquanto a fome arruinará a terra” (Gn 41.30). E a fila para fazer compra no Shopping Center do Faraó era enorme, “uma caravana de estrangeiros” (Gn 42.5). Acho que Abraão não queria participar, pode até ter afirmado com toda a sua fé, “não quero participar”, mas participou. E foi procurar comida no Egito. E foi até humilhante, participou sim, o pai da fé não ficou de fora da crise, mas dentro dela.

Depois passou como todas as crises, e temos outra muito séria; essa que deixei por último;ocorreu na Judeia, “Um deles, chamado Ágabo, levantou-se e pelo Espírito predisse que uma grande fome assolaria a todo o mundo romano, o que de fato veio a ocorrer nos dias do reinado de Claudio”. (Atos 11.28). Era o ano 41-48 d.C. Os crentes da Judeia foram socorridos pelos irmãos de outras regiões. Estavam passando pela crise.

Essa crise produzida por um governo ilegítimo como é o caso do PT, vai sim afetar a todos nós, e precisamos estar unidos para cooperar uns com os outros. Muitos irmãos perderam seus empregos, muitos negociantes fecharam suas portas, num efeito dominó, um após outro são afetados pela crise.

Podemos sim enfentá-la com fé, mas sabendo que não temos como fugir, mas temos como lutar, fazer de conta que não é nada, fazer de conta que, “afinal não é comigo” é uma atitude que não corresponde àquela natureza social do evangelho. O evangelho, e os evangélicos têm uma grande responsabilidade política diante dessa crise, se organizar como Corpo de Cristo para superar a crise. Muitos apoiaram esse governo corrupto e comunista, agora temos que preparar o povo para não votar mais nesse partido desmiolado, e evitar democraticamente o comunismo que ameaça a nação. Afinal o comunismo sempre entrou pela janela, como um ladrão à noite.

Esse pastor piadista, ele tem outro vídeo onde fala dos açoites e da coroa de espinho e com isso cria outra piada.

Aquela arte dos fariseus tentando impedir o povo entrar no Reino de Deus, hoje acontece em algumas igrejas, uns criticam o Templo outros colocam o Templo como quase um objeto de adoração, alguns acham Salomão tão importante que dedicam um templo como sendo dele, com Arca, Candelabro, etc, tudo para parecer judeus, mas não são, além disso temos as piadas elabordadas com textos do Novo Testamento. E, assim colocam o povo num caminho que não se ajusta às perspectiva dos ensinamentos de Cristo. Imaginem alguém no primeiro século perante os irmãos fazendo piada com o sofrimento de Cristo.

Temos que voltar ao evangelho e combater o bom combate, a fé uma vez entregue aos santos é simples, a salvação não depende de pontos teológicos nem do que os teólogos estipulam em seus pontos, cinco pontos, seis ou uma dúzia. Entendo que ela tem um só ponto em João 3.16. A reforma valorizou bem esse ponto, mas acrescentou tantos outros que no final a salvação que era pela fé não admitia o homem livre, a liberdade foi misturada com veneno. “talvez o homem possa fazer tudo, talvez não possa fazer nada”. A incerteza criou raízes profundas dando corda à teologia e à filosofia para elaborar tanto o super-homem como o homem absolutamente escravo. Mas o Evangelho nunca tratou disso, simplesmente declara que todo ser humano pode crer, se quiser. Até no Antigo Testamento fala: ” Vinde e arrazoemos” “Se estiverdes dispostos a ouvir, comereis o fruto precioso da terra. (Isaías 1 18-19)

A Igreja Cristã está em crise, e uma crise de espiritualidade, uma crise de hermenêutica, uma crise de identidade. E vai precisar de uma reforma.

Publicar uma resposta